linhahorizonte

Doenças pediátricas

HIDROCEFALIA EM CRIANÇAS



O que é hidrocefalia?

circulacao liquorica

O cérebro é banhado por um líquido chamado de líquor ou líquido cefalorraquidiano (LCR). As funções principais desse líquido são hidratar e proteger o cérebro contra impactos. Há cerca de 140ml de LCR no nosso sistema nervoso, estando 70 ml nos ventrículos e outro tanto no banhando o resto do sistema nervoso, no chamado espaço subaracnóideo. A produção de LCR ocorre nos plexos coróides, que se localizam em cavidades dentro do cérebro que são chamadas de ventrículos laterais, na quantidade aproximada de 20 ml por hora, ou quase 500 ml por dia. Quando há um problema e ocorre o acúmulo do LCR dentro dessas cavidades, ocorrendo uma dilatação (aumento), chamamos de hidrocefalia. Por esse motivo que popularmente as pessoas dizem que hidrocefalia é chamada de “cabeça d’água” ou “excesso de água no cérebro”.


Todas as hidrocefalias são iguais?

Não. O acúmulo de líquor dentro dos ventrículos pode ocorrer por vários motivos, como maior produção, menor absorção ou dificuldade de circulação. Se a hidrocefalia for causada porque o líquor não consegue circular adequadamente pelos espaços cerebrais temos uma hidrocefalia obstrutiva. Se for causada por excesso de produção ou dificuldade de absorção é chamada de comunicante, pois não há um ponto de obstrução definido.

hidrocefalia obstutiva

Quais são as causas de hidrocefalia em crianças?

A hidrocefalia pode começar em bebês recém-nascidos ou mais tardiamente na infância da criança.

As causas mais comuns de hidrocefalia em crianças são:

tumor pineal

• Tumores cerebrais - alguns causam a hidrocefalia por obstrução a circulação do líquor e outros, como os tumores do plexo coroide podem aumentar a formação de líquor.

• Cistos cerebrais (como os cistos de aracnóide)

• Causas congênitas (malformações) - como a estenose de aqueduto cerebral (70% das causas congênitas), Chiari, etc.

• Ingestão de drogas na gestação (como LSD e cocaína)

• Doenças infecciosas durante a gestação, causando infecções congênitas, como rubéola, sífilis, citomegalovírus e toxoplasmose

• Doenças infecciosas após o nascimento – como meningite

• Hemorragias (sangramentos) intracranianos intraventriculares – sobretudo em bebês prematuros (leia mais aqui sobre hemorragia da prematuridade)


Quais são os sintomas de hidrocefalia?

Os sintomas ocorrem porque o acúmulo de líquido começa a pressionar o cérebro que não tem para onde ir, já que o crânio é rígido (duro) e não expande para acomodar esse volume “extra” de líquido. Os sinais e sintomas variam muito de acordo com a idade da criança, mas são iguais em uma hidrocefalia por qualquer causa, comunicante ou não. Veja abaixo:

mae e filho

- Sintomas em bebês e recém-nascidos:

• Crescimento rápido da cabeça do bebê

• A moleira do bebê pode ficar abaulada (“inchada”)

• Irritabilidade / Agitação

• Vômitos

• Dificuldade de se desenvolver / de se alimentar

• Convulsões

- Sintomas em crianças:

• Dor de cabeça

• Aumento da cabeça em relação ao esperado para idade

• Náuseas/vômitos

• Alterações de equilíbrio e coordenação

• Convulsões

• Alterações de comportamento / sonolência ou agitação

• Dificuldade escolar

• Perda de marcos de desenvolvimento adquiridos (ex. andar, falar)

• Puberdade precoce


Como é feito o diagnóstico de hidrocefalia?

mae e filho

Existem 2 tipos de hidrocefalia:

1- congênita – quando o bebê começa a ter hidrocefalia dentro da barriga da mãe devido a alguma alteração no sistema nervoso

2- adquirida – quando a criança adquire uma causa de hidrocefalia ao longo da infância.

A hidrocefalia congênita pode ser descoberta durante a gestação, em um ultrassom pré-natal de rotina, mas frequentemente é diagnosticada durante a infância ou enquanto bebê até o 1º ano de vida. Já as hidrocefalias adquiridas têm alguma causa/doença precipitante.

O diagnóstico é facilmente comprovado através de exames de imagem (tomografia ou ressonância de crânio) mostrando dilatação do sistema ventricular e o ponto/causa de obstrução, caso haja. Nos casos de bebês com a fontanela aberta (chamada popularmente de “moleira”, podemos fazer um ultrassom do crânio pela “moleira” para detectar a hidrocefalia.


Qual é o tratamento da hidrocefalia?

O tratamento cirúrgico da hidrocefalia pode ser feito de 2 formas básicas:

1. Colocação de uma válvula – esse é o tratamento dito “clássico”, mais antigo e tradicional, e pode ser feito para as hidrocefalias obstrutivas e comunicantes. Nesse tratamento o bebê ou a criança recebe uma válvula, que drena o excesso de líquido do sistema ventricular e transporta através de um cateter, que fica por baixo da pele, para outra cavidade. A localização mais comum para colocar esse cateter é o abdômen (sendo então chamada derivação ventrículo-peritoneal), mas também pode ser para o coração (derivação ventrículo-atrial), pleura, etc.

hidrocefalia derivacao
hidrocefalia valvula

2. Neuroendoscopia (Terceiro ventriculostomia endoscópica) – Essa é uma cirurgia mais moderna que a colocação de válvula, mas não serve para qualquer tipo de hidrocefalia. Nessa cirurgia o neurocirurgião introduz um aparelho com câmera dentro do ventrículo que é capaz de criar um caminho alternativo para o líquor circular, sobrepondo um ponto de obstrução, e por esse motivo essa cirurgia geralmente se aplica para hidrocefalias obstrutivas. Essa cirurgia apresenta diversas vantagens, sendo a maior delas não ficar dependente de um sistema de shunt (válvula). Por vezes, quando há um tumor ou cisto, eles podem ser removidos também com esse procedimento. Para saber se o caso de seu filho é possível ser tratado desta forma, consulte um neurocirurgião que tenha experiência e especialidade nessa técnica.

hidrocefalia endoscopica

O que fazer quando a hidrocefalia é diagnosticada na gestação, quando o bebê ainda está dentro da barriga da mãe?

Nesses casos a criança deve ser acompanhada mais de perto pelo obstetra e pelo neurocirurgião pediátrico que avaliarão a causa, gravidade e progressão da hidrocefalia. Também avaliarão se há necessidade de algum procedimento intraútero, como a colocação de uma derivação ventrículo-amniótica (derivação do ventrículo cerebral do bebê para o líquido amniótico do útero) através de um cateter “pigtail”. O neurocirurgião pediátrico nesta situação também se prepara para tratar o bebê recém-nascido, no melhor momento possível, inclusive de forma precoce nas primeiras horas de vida dele dependendo da gravidade do caso.


Qual o prognóstico neurológico se meu filho tem hidrocefalia?

Quais as sequelas de hidrocefalia para um bebê ou uma criança?

A chance de sequela neurológica depende da causa e do grau de hidrocefalia. Se a criança for tratada e diagnosticada cedo, normalmente a chance de sequela é menor. Já se a hidrocefalia piora rapidamente ou dura muito tempo, pode causar lesão cerebral grave e até a morte.

hidrocefalia em criancas

Os bebês que começam a ter hidrocefalia dentro da barriga da mãe podem ter problemas de desenvolvimento adequado do cérebro pois a hidrocefalia “pressiona” o tecido nervoso em formação e pode dificultar que ele se desenvolva adequadamente. Entretanto, mesmo com hidrocefalias graves, o bebê quase sempre sobrevive dentro da barriga da mãe e ao parto, mas necessita de uma cirurgia mais precoce pela equipe de neurocirurgia pediátrica.

As crianças com hidrocefalia têm expectativa de vida normal, mas são mais propensas a ter dificuldade de aprendizado ou demoram mais tempo que as crianças normais para andar, falar, etc. Até mesmo depois de tratadas, as crianças podem ter inteligência mais baixa, problemas de memória e problemas visuais, incluindo estrabismo (olhos desalinhados).


Quando procurar um neurocirurgião?

A hidrocefalia infantil aguda é uma doença muito perigosa que pode evoluir rapidamente e levar ao coma e até a morte. Entretanto, a hidrocefalia também pode se desenvolver de forma um pouco mais lenta e progressiva dependendo da causa. Mas o importante é ressaltar que se seu filho tiver suspeita deste diagnóstico é aconselhado procurar um neurocirurgião pediátrico para esclarecer todas as dúvidas com relação ao seu tipo de hidrocefalia, qual a melhor forma de tratamento, possíveis complicações e resolver o quanto antes este problema. Caso ainda tenha alguma dúvida clique aqui e nos envie uma mensagem.


* Esse texto foi produzido e editado por Dra Raquel Zorzi - CRM 142761 - RQE 56460.