linhahorizonte

Tipos de tumores cerebrais

MENINGIOMAS



O que é meningioma?

meningioma

Os meningiomas são tumores que ocorrem no sistema nervoso que têm origem nas meninges cerebrais. As meninges são como membranas ou “peles” que envolvem e protegem o cérebro e são divididas em 3 camadas: dura máter, pia máter e aracnóide, sendo que os meningiomas têm origem na aracnóide.

Como as meninges protegem todo o sistema nervoso, estes tumores não ocorrem só no cérebro, podem também ocorrer no interior do canal medular na coluna vertebral.


Meningiomas são tumores benignos ou malignos?

Na maioria das outras partes do corpo, é fundamental distinguir tumores benignos dos malignos. Em geral, tumores benignos são aqueles que tem crescimento apenas no local, enquanto os malignos podem se disseminar (espalhar), ou seja, dar metástase para o resto do corpo.

tumor maligno

No caso dos tumores de cérebro e medula espinhal, porém, isso não é o mais relevante, pois esses tumores surgem em áreas tão importantes que podem causar sérios danos, mesmo não oferecendo risco de disseminação para fora do cérebro. À medida que crescem, mesmo os chamados tumores benignos podem comprimir ou comprometer o tecido cerebral, provocando problemas sérios e até a morte.

Mesmo assim, no cérebro e sistema nervoso central geralmente dizemos que um tumor é "maligno" ou "agressivo" quando ele cresce e se desenvolve rapidamente, podendo até se espalhar para outras áreas do sistema nervoso. Já os tumores "benignos" são assim considerados quando apresentam crescimento lento. Os meningiomas são tumores geralmente benignos e a maior parte de crescimento lento. São classificados pela anatomia patológica em graus 1 (meningioma benigno clássico), 2 (meningioma atípico), 3 (meningioma anaplásico ou maligno – mais agressivos).


Os meningiomas são frequentes?

Eles representam cerca de 1/3 dos tumores cerebrais primários. Ocorrem duas vezes mais frequentemente em mulheres em relação a homens. Sua incidência aumenta com a idade, sendo raro em crianças, ocorrendo em geral a partir de 50-60 anos. Podem estar localizados na superfície do cérebro (35% - mais comum), ou em outras localizações como parassagital, asa do esfenóide, ventrículos cerebrais, etc.

meningiomas


O que causa um meningioma? Quais os fatores de risco?

Pesquisadores estão estudando meningiomas cuidadosamente para descobrir suas causas. Entre 40% e 80% dos meningiomas contêm um cromossomo anormal número 22, mas a causa desta anormalidade não é conhecida. Sabemos, contudo, que este cromossomo é normalmente envolvido na supressão de crescimento de tumores em pessoas normais, por isso sua mutação pode levar ao aparecimento destas lesões. Meningiomas também frequentemente têm cópias extras do fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGFR) e receptores do fator de crescimento epidérmico (EGFR), o que pode contribuir ainda mais para o crescimento destes tumores.

Fatores de risco conhecidos incluem a radiação (especialmente radioterapia) prévia para a cabeça, e neurofibromatose tipo 2. Meningiomas múltiplos ocorrem em 5% a 15% dos pacientes, particularmente aqueles com neurofibromatose tipo 2 (veja figura abaixo).

meningiomas multiplos

Vale ressaltar que alguns meningiomas têm receptores que interagem com hormônios, incluindo a progesterona e, menos comumente, o estrogênio. Embora o papel exato dos hormônios no crescimento dos meningiomas não tenha sido determinado, observamos que eles influenciam em alguns casos o crescimento destes tumores. Na gravidez, onde há muitos hormônios circulando, ocasionalmente os meningiomas crescem mais rapidamente.


Quais os sintomas de quem tem um meningioma?

Muitos meningiomas são assintomáticos!!! Conforme crescem eles comprimem o cérebro adjacente e podem causar sintomas dependendo de sua localização, tais como: fraqueza ou dormência de um lado do corpo, confusão mental, convulsões, etc. A dor de cabeça também é um sintoma frequente, geralmente sendo persistente e progressiva, e pode piorar e se associar a vômitos quando o tumor está em tamanho grande causando hipertensão intracraniana.


Como fazer o diagnóstico do meningioma?

meningioma

O diagnóstico dos tumores cerebrais sempre passa por um exame de imagem. Muitas vezes esses tumores são descobertos ainda em fase assintomática por um exame realizado por outro motivo.

Os exames de imagem como a ressonância além de confirmar as suspeitas do diagnóstico, podem sugerir para o neurocirurgião se tumor tem um comportamento mais agressivo. Entretanto lembre-se que a certeza só vem com o diagnóstico da anatomia patológica após a retirada cirúrgica do tumor.


Qual o tratamento do meningioma?

Meningioma precisa de cirurgia?

meningioma cirurgia

O tratamento depende muito do tamanho, localização e sintomas que o tumor esteja causando. Inicialmente em casos assintomático e tumores pequenos podemos ter um tratamento conservador (acompanhar o crescimento do tumor). Em casos de tumores maiores e/ou sintomáticos, geralmente uma cirurgia tradicional é recomendada.

Na maior parte das vezes não é necessário realizar radioterapia após a ressecção do tumor. Mas essa decisão dependerá do grau de ressecção atingida pelo cirurgião (parcial ou total), localização e sobretudo o tipo histológico do tumor que virá da análise feita de pedacinhos do tumor retirado pelo médico patologista.

Podemos falar em cura? Alguns meningiomas são considerados curados quando após anos de acompanhamento não temos recidivas. Em geral são mais favoráveis à cura os meningiomas benignos e em localizações fáceis de operar, o que permite sua retirada completa. Em relação a sequelas, são raras as sequelas após a maior parte das cirurgias de meningiomas, exceções feitas quando se tratam de meningiomas muito grandes em localização complexa e delicada.

Caso tenha ainda alguma dúvida sobre esse tema clique aqui e nos envie uma mensagem.


* Esse texto foi produzido e editado por Dra Raquel Zorzi - CRM 142761 - RQE 56460.