linhahorizonte

Doenças pediátricas

TUMORES CEREBRAIS EM CRIANÇAS



As crianças podem desenvolver os mesmos tipos tumorais dos adultos?

Sim, mas seu comportamento clínico, biológico e frequência de cada subtipo tem suas particularidades nesta faixa etária. Os tumores cerebrais podem se formar praticamente em qualquer tipo de tecido ou célula do cérebro ou da medula espinhal, alguns têm uma mistura de vários tipos de células ou podem derivar de apenas um tipo. Os tumores cerebrais em crianças se desenvolvem geralmente na parte inferior do sistema nervoso, como cerebelo e tronco cerebral, mas também podem começar na parte superior acometendo o cérebro.

Os tumores são classificados em grupos e de acordo com a rapidez com que se desenvolvem. Como regra geral, o de menor grau é considerado menos agressivo, enquanto o de maior grau é o mais agressivo. Raramente os tumores cerebrais podem espalhar (dar metástases) para fora do sistema nervoso central, mas comumente podem se espalhar para outras partes do cérebro e medula espinhal.

Citamos aqui apenas os principais tipos de tumores em crianças:

tumores cerebrais

· Gliomas

A maioria dos tumores cerebrais em crianças são gliomas. Glioma é um termo geral para um grupo de tumores que se iniciam em células da glia, as células que dão suporte aos neurônios no cérebro. Os astrocitomas são o tipo mais comum de glioma e se desenvolve a partir de células denominadas astrócitos. Os astrocitomas podem ser de crescimento lento ou rápido. Alguns são bem localizados (focais) e outros são chamados difusos, quando não têm um limite claro entre o tumor e o tecido normal do cérebro. Em crianças algumas localizações são mais características e frequentes que em adultos, como as vias ópticas, tálamo, cerebelo e tronco.

·Ependimomas

Aproximadamente 5% dos tumores cerebrais em crianças são ependimomas, que se desenvolvem a partir das células ependimárias e do quarto ventrículo (2/3 deles se localizam infra-tentorial). A maioria dos ependimomas é diagnosticada em crianças ou adolescentes. Cerca de 5% deles tem disseminação para o sistema nervoso pelo líquor no momento do diagnóstico. Eles podem variar de tumores de baixo grau (menos agressivo) até tumores mais agressivos, denominados ependimomas anaplásicos.

· Tumores Neuroectodérmicos Primitivos (PNETs)

Estes tumores se iniciam nas células imaturas do sistema nervoso central, denominadas células neuroectodérmicas. São raros em adultos e correspondem a 20% dos tumores cerebrais em crianças. Os PNETs tendem a ter crescimento muito rápido e muitas vezes se espalham pelo líquido cefalorraquidiano. Dependendo de sua localização, eles têm nomes diferentes, sendo o mais comum deles o meduloblastoma que se desenvolve na região do cerebelo.

· Craniofaringiomas

Estes tumores começam acima da glândula hipofisária e tem crescimento lento. Eles podem pressionar esta glândula e também o hipotálamo, causando problemas hormonais. Podem ainda comprimir os nervos ópticos, causando perda de visão.

· Tumores do Plexo Coroide

Estes tumores representam 3% dos tumores em crianças, sendo que em menores de 1 ano representam 10 a 20% dos tumores nesta faixa etária. Se iniciam no plexo coroide, que é uma estrutura que fica dentro de uma cavidade chamada ventrículo do cérebro. O ventrículo mais acometido é o ventrículo lateral. O plexo coroide tem a função de produzir o líquido cefalorraquidiano (líquor), por esse motivo alguns destes tumores podem aumentar esta produção e causar hidrocefalia.

· Tumores de Células Germinativas

Esses tumores se desenvolvem a partir das células germinativas, que normalmente formam os óvulos nas mulheres e o esperma nos homens. Durante o desenvolvimento normal do embrião e do feto, as células germinativas vão para os ovários ou testículos e se desenvolvem em óvulos ou espermatozoides. Algumas vezes, no entanto, algumas células germinativas se movem de forma inadequada e acabam em locais anormais, como o cérebro, podendo se desenvolver em tumores nestes locais.

Os tumores de células germinativas do sistema nervoso que ocorrem em crianças e adolescentes na maioria das vezes se localizam na região da glândula pineal. Estes tumores podem às vezes ser diagnosticados sem biopsia, apenas pela dosagem de certas substâncias químicas no líquido cefalorraquidiano ou no sangue. Caso seja necessária biópsia podemos às vezes recorrer a técnica de biópsia por neuroendoscopia.

O tumor de células germinativas mais comum do sistema nervoso é o germinoma. Outros tumores incluem: coriocarcinoma, carcinomas embrionários, teratomas e tumores do seio endodérmico.

· Sintomas e tratamento de tumores em crianças

Os sintomas gerais incluem dor de cabeça progressiva e refratária, náuseas e vômitos principalmente matinais, sonolência, convulsões, alteração de comportamento ou déficits neurológicos específicos como fraqueza ou perda de sensibilidade dependendo da localização do tumor.

O tratamento da maior parte dos tumores citados acima é primariamente cirúrgico, podendo ser complementado com radioterapia ou quimioterapia dependendo de cada caso. O neurocirurgião atua em conjunto com a equipe de oncologia auxiliando no diagnóstico e tratamento da lesão primária e suas recorrências, bem como das complicações que podem surgir, como por exemplo a hidrocefalia.


* Esse texto foi produzido e editado por Dra Raquel Zorzi - CRM 142761 - RQE 56460.